jusbrasil.com.br
9 de Abril de 2020

Conheça mitos e verdades sobre financiamento imobiliário

Quem busca imóveis à venda e verifica as possibilidades de pagamento acaba se surpreendendo com os diversos financiamentos imobiliários que existem disponíveis. Entretanto, como o mercado imobiliário é repleto de complexidade, burocracia e papelada, é importante que as pessoas se protejam e conheçam exatamente como o financiamento funciona.

Blog Mariana Gonçalves, Advogado
há 2 anos

Para ajudar você a escolher a melhor opção para o seu bolso e seu planejamento de vida, preparamos esse post com os principais mitos e verdades sobre financiamento imobiliário. Quer saber mais sobre como essa modalidade funciona e quais as vantagens de comprar um imóvel dessa forma? Confira o post e evite surpresas!

Pessoas com baixa renda possuem vantagens no financiamento

Verdade. Para ajudar pessoas que têm renda familiar baixa, o governo federal modificou as regras do programa habitacional Minha Casa Minha Vida.

Essa medida se fez necessária porque muitas pessoas não conseguem apresentar garantias para compra de um imóvel e possuem rendimento mensal não condizente com as parcelas oferecidas pelas modalidades regulares de financiamento.

Em parceria com a Caixa Econômica Federal, o governo aumentou os limites das faixas de renda e pode oferecer parcelas bastante acessíveis. Além disso, dependendo da renda bruta, algumas famílias podem receber subsídio na entrada, ou seja, conseguem diminuir o valor do financiamento por meio da ajuda do programa habitacional.

Os juros são muito altos

Mito. Os juros oferecidos atualmente pelas instituições bancárias variam de 9 a 11% ao ano. Esse é um índice baixo se compararmos a outros financiamentos, como os de automóveis, que podem chegar a incríveis 26%!

Além do mais, a concorrência dos bancos com a Caixa Econômica Federal, que sempre foi a primeira opção dos brasileiros para financiamento imobiliário, fez com que eles começassem a oferecer taxas mais convidativas.

Essa concorrência é extremamente benéfica para a população, que acaba tendo poder de escolher e pode visualizar como será o financiamento ao longo dos anos.

Para melhorar essas taxas ainda mais, o ideal é que a pessoa tenha um valor de entrada para abater nas parcelas. É preciso ficar atento, também, ao valor do imóvel, que pode aumentar tanto o valor mensal a ser pago quanto o tempo de financiamento.

Financiar é melhor do que alugar

Depende. As opções podem mudar de acordo com o imóvel de interesse e com a realidade da família.

Quem optar por comprar um imóvel ainda na planta, por exemplo, pode receber inúmeras vantagens. Além das condições de financiamento, que podem ser vantajosas, o imóvel na planta tem o benefício de custar mais barato do que um imóvel que já foi construído.

Essa diferença de preço acontece porque as construtoras precisam de capital para dar continuidade ao empreendimento e, por isso, facilitam muito o pagamento. Além disso, essas empresas costumam oferecer possibilidades de personalização do imóvel, como aumento do número de cômodos, acabamento diferenciado, entre outros detalhes.

Alugar, entretanto, embora seja visto como dinheiro jogado fora, pode ser a melhor opção para quem não tem renda familiar comprovada, restrições no CPF ou quando se depara com financiamentos muito altos. Para tomar a melhor decisão, o ideal é fazer as contas de quanto você terá pago pelo imóvel ao final do financiamento e o quanto economizaria se guardasse o valor na caderneta de poupança. Se o valor da economia for menor do que o valor total financiado, convém organizar suas finanças.

O melhor financiamento é o da Caixa Econômica Federal

Depende. Mais uma vez, é preciso avaliar a situação da família. Embora a taxa de juros da Caixa seja mais atrativa, alguns bancos podem oferecer outras vantagens, como valor maior do imóvel, tempo de financiamento prolongado e porcentagem possível de parcelamento do valor total da propriedade.

Outro aspecto que pode impactar bastante a escolha pela instituição bancária é o relacionamento do cliente com o banco. Pessoas que já possuem contas há muitos anos e mantém uma boa reputação adimplente pode receber vantagens que a Caixa não oferece.

Tudo depende da renda total da família, do valor do imóvel e da instituição bancária de interesse. O ideal, nesse caso, é conversar com seu gerente e fazer as simulações de acordo com as suas possibilidades.

Imóvel é um investimento instável

Mito. O investimento imobiliário é um dos mais seguros que existem no mercado. Além de ser um bem durável, que proporciona segurança e aumenta o patrimônio do proprietário, ter uma casa é garantia de que o dinheiro pode ser recuperado com lucro.

Os imóveis valorizam ano após ano, mesmo em situações de crise financeira. Por isso, se existe a possibilidade desse tipo de investimento, aposte na ideia.

A situação é ainda mais vantajosa se você adquirir uma propriedade em um bairro que está em crescimento populacional. É fato de que uma região que tem a infraestrutura melhorada aumenta o valor do imóvel e pode aumentar consideravelmente o valor na revenda.

Para tomar a melhor decisão, portanto, é importante analisar a região do imóvel e as possibilidades de valorização.

Outra vantagem do imóvel é que ele pode render mensalmente por meio de aluguel, ou seja, seu imóvel não fica parado e se deteriorando com o tempo e ainda mantém seu investimento intacto.

Qualquer pessoa pode financiar um imóvel

Mito. Embora cada tipo de financiamento possua seus próprios requisitos, em geral, algumas regras são compartilhadas.

O interessado em financiar um imóvel não pode ter restrições nos órgãos de proteção ao crédito, por isso, se você tem dívidas, negocie-as e tente quitá-las.

Outro impeditivo pode ser a ausência de capital para a entrada. Embora alguns bancos financiam o valor do imóvel 100%, essa é uma condição que pode aumentar muito o valor das parcelas e, consequentemente, o preço final que você pagará pelo imóvel.

É importante, também, ter uma renda fixa e estável, caso contrário você poderá ter a proposta negada.

Financiar um imóvel pode ser a melhor opção para você, mas é importante simular todas as opções e conversar com os profissionais das instituições bancárias.

Se você perceber que o financiamento pode causar prejuízos, adie a ideia e economize um pouco mais enquanto faz uma pesquisa nos classificados online de imóveis. Isso pode ser uma diretriz para apontar o quanto você precisa poupar para receber as melhores condições.

Por isso, antes de começar a procurar por casas e apartamentos à venda, leia sobre o mercado imobiliário, converse com os gerentes e conheça mais sobre os programas habitacionais disponíveis. O conhecimento é a melhor forma de evitar a compra de imóveis supervalorizados ou de se comprometer com uma dívida longa.

Agora você se sente mais seguro para tomar a melhor decisão para sua família? Conseguiu entender quais os mitos e verdades a respeito do financiamento imobiliário? Então compartilhe esse post em suas redes sociais e ajude na decisão de seus amigos!

Post elaborado por:

Mariana Gonçalves - Iniciou no ramo imobiliário no ano de 2007 como Corretora de Imóveis. No ano de 2008 abriu, a Imobiliária Terra, empresa que trabalhou com compra, venda e permuta de imóveis da cidade de Itajaí e Região. Fascinada pelo mercado imobiliário da cidade de Itajaí e Região, sentiu necessidade de ampliar os conhecimentos jurídicos do ramo, inciou então a graduação na Universidade do Vale do Itajaí – Campus Itajaí, no curso de Direito. Formada em 2014/1, passou a atuar com maior frequência com o Direito Imobiliário. Hoje advogada, inscrita no quadro dos advogados do estado de Santa Catarina, sob o número 40.090. Área de atuação específica: DIREITO IMOBILIÁRIO. [email protected]

Não deixe de seguir nossa página aqui no JusBrasil para ficar por dentro de todos os novos posts: SIGA NOSSA PÁGINA.

Conheça também nossa página aqui no JusBrasil exclusiva de vídeos: SIGA MINUTOS DE DIREITO

E também nosso blog com ainda mais notícias e informações jurídicas do Mercado Imobiliário.

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Se o aluguel de um imóvel for MENOR que 0,09% do valor do imóvel, alugar é a melhor alternativa.

Se você tiver os R$ 500.000 o rendimento será de R$ 2.100 / mês na poupança.

Como locatário e pagando R$ 2.100 / mês, não tenho o custo de manutenção de vários itens. Como proprietário e locador, além do custo de manutenção é preciso considerar o Imposto de Renda sobre o aluguel, que facilmente chegará a 25% e baixando o valor final recebido para R$ 1.575. Sem contar a taxa da administradora, que pode baixar o valor recebido para uns R$ 1.350 no final. Se alugar por 0,09% do valor do imóvel este rendimento iguala-se à poupança, mas tem a questão do trabalho, um dinheiro que está imobilizado e de acesso mais difícil em caso de necessidade...

Se eu alugar este imóvel por MENOS, considere R$ 100 a menos, ou seja, alugando por R$ 2.000. Ao final de 15 anos (um tempo médio de financiamento) vou ter na poupança R$ 1.100.000 SEM mudar o padrão de moradia.

Isto considerando que tenho o valor para comprar a vista... Sem os juros do financiamento, o que torna a compra ainda menos interessante. continuar lendo

A idéia de que o imóvel valoriza ano após ano seria mito. Não condiz com a realidade econômica. No período de 2014 a 2017, houve queda de 17% no preço dos imóveis, ou seja, desvalorização que será sentida pelo proprietário. Aliás, quando se puxa o histórico dos índices de preços dos imóveis no Brasil, há vários períodos de queda.

Também se deve ter cuidado e planejamento ao comprar imóvel na planta por causa dos índices de reajuste que incidem. O INCC, por exemplo, pega muita gente de surpresa.

O imóvel como investimento em valorização é mais complexo do que se imagina (há que saber se haverá um período de alta após a compra), incerto e, na maioria dos casos, não apresenta vantagens em relação a outros investimentos. A única vantagem nítida é uma certa estabilidade aos planos econômicos adotados no Brasil (se passa quase incólume a estes). Mesmo assim, considerando que temos políticos de esquerda com a mentalidade de tirar “dos ricos” para fingir que “vai dar aos pobres”, não se há muita certeza se isto continuará no futuro.

No mais, bom artigo!

Abraços! continuar lendo

Artigo muito esclarecedor! E não poderia ser diferente, pois é oriundo de uma expert no ramo imobiliário. Parabéns! continuar lendo