jusbrasil.com.br
9 de Abril de 2020

O que é averbação premonitória e para que serve?

Por Jaqueline Rezende Nogueira. Já ouviu falar nesse tipo de averbação que é realizada na matrícula do imóvel? Então continue lendo o post que você ficará surpresa das oportunidades que podem aparecer para você!Trata-se de um instrumento de extrema importância do qual o exequente pode lançar mão, visando garantir o recebimento de eventual crédito.

Blog Mariana Gonçalves, Advogado
há 2 anos

Por Jaqueline Rezende Nogueira . Possui previsão legal no art. 799, IX e do art. 828 do CPC/15 de onde se extrai que o exequente poderá, no momento em que a ação de execução for admitida pelo juiz, obter certidão que comprove o referido ajuizamento, bem como a existência de um crédito.

Com essa certidão, o interessando, por meio de um requerimento, com firma reconhecida, dará publicidade junto ao Cartório de Registro de Imóveis, da ação movida por ele e, premonitoriamente, gravará tantos bens do executado, evitando assim, de maneira bem cautelosa, uma possível fraude à execução.

Por conseguinte, caso o executado intente alienar algum imóvel, a venda será considera de má-fé pelo novo proprietário, ficando aqui claro que a averbação premonitória não tem o poder de CONGELAR a matrícula, apenas dar PUBLICIDADE da situação.

Mas, então estaríamos diante de uma hipoteca? Não, a averbação premonitória, muito embora guarde alguma semelhança com a hipoteca, constitui um instrumento de resguardo de direito mais ameno do que a hipoteca. Isso porque, na hipoteca existe uma verdadeira reserva do bem, enquanto que na premonitória o que se tem é um aviso inicial de que existe uma execução correndo contra o proprietário daquele bem.

O que se pretende com essa averbação, em última análise, é dar publicidade de uma possível constrição (hipoteca) que, por ventura, possa vir a se efetivar em momento posterior do processo de execução.

Entretanto, caso o interessado promova averbação indevida, excessiva ou não cancele a mesma quando satisfeito o crédito, deverá indenizar a parte contrária.

Portanto, quando bem utilizado, trata-se de um instrumento estrategicamente eficaz para se evitar uma execução frustrada e garantir um cliente satisfeito.

Postado por:

Jaqueline Rezende Nogueira - Advogada, atuante na área do Direito Imobiliário em Divinópolis-MG e especializanda em Direito Imobiliário Aplicado pela Escola Paulista de Direito – EPD.

Não deixe de seguir nossa página aqui no JusBrasil para ficar por dentro de todos os novos posts: SIGA NOSSA PÁGINA.

Conheça também nossa página aqui no JusBrasil exclusiva de vídeos: SIGA MINUTOS DE DIREITO

E também nosso blog com ainda mais notícias e informações jurídicas do Mercado Imobiliário.

23 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Informações de altíssima relevância! continuar lendo

Obrigada pela retorno Christina! continuar lendo

Ótima publicação!
Parabéns! continuar lendo

Muito Obrigada Daniel! continuar lendo

Muito bom.... continuar lendo

Matéria muito bem lembrada pela nobre colega Dra. Jaqueline Rezende Nogueira. É a primeira oportunidade que o credor terá para tentar garantir o seu crédito, tendo apenas que observar os detalhes da norma legal, para não dar chance de uma possível indenização à parte contrária. Parabéns. continuar lendo

Exatamente! No meu ponto de vista este é uma das questões mais importantes para apresentar aos nossos clientes quando cogitamos a possibilidade da averbação premonitória. Obrigada. continuar lendo